.
Aqui… com doçura, com paixão e alegria, vida, sorrisos, sucesso e amor; Sabedoria, esperança, caridade e diferenças; Saudades, liberdade, dúvidas e certezas; Entre amigos ou família, quem sabe outras crenças, dias de sol ou de chuva, sem frescuras… dividimos…"segredos".


○○○○○

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Romper com o passado é ser livre para viver


Da mesma forma que lembranças nos fazem viajar no tempo, colocam um brilho em nossos olhos, podem consumir nossos dias, roubar nossa paz, tirar nossa alegria. A vida é para ser vivida; não revivida.

Acontece que muita gente não dá conta disso. Se deixa consumir pelo passado. Porque o passado é intrometido. Não pede licença. Vai chegando, tomando conta, fazendo sofrer.

Todos os dias relacionamentos são destruídos pelo passado. Na tentativa de seguir juntos, fazer o namoro ou o casamento funcionar – ou até mesmo uma amizade -, as pessoas tentam perdoar, esquecer coisas que provocaram e provocam muita dor. Acontece que não conseguem fazer isso e passam a viver em função do fato que machucou.

Relacionamentos são firmados no conflito. Ninguém está isento deles. Por conta disso, as diferenças surgem, os descompassos que interrompem a trajetória planejada. Brigas, palavras ásperas, mentiras ou até traições. Tudo pode acontecer entre duas pessoas.

Por amor ou conveniência, tentam seguir juntas. Mas as lembranças estão lá. O fato passou, mas segue vivo na memória.

Sabe, o passado não se esquece; perdoa-se. A gente não aperta um botão e apaga tudo. Não existe delete das memórias. Mas temos sim a chance de escolher sofrer pelo passado ou sublimar o passado.

Quando se visita o passado, o passado se faz presente. Temos que olhar pra ele e entender: passou. Machucou? Sim. Doeu? Sim. Feriu? Sim. Mas dá pra fazer alguma coisa? Não. Dá pra voltar lá e arrumar, fazer diferente? Não. Não dá.

Então, é preciso perdoar. E perdoar não significa aceitar, tolerar. Se a mágoa é profunda demais a ponto de impedir a manutenção do relacionamento, é justo rompê-lo. Porém, se as pessoas escolheram seguir juntas, não podem fazer do presente um eterno reviver do passado. Do contrário, nunca mais serão felizes.

E o perdão não deve ocorrer pelo outro. Não se perdoa por dó, pena ou favor ao outro. É necessário sublimar a mágoa sofrida por nós mesmos. Quando perdoamos, deixamos de ser escravos do outro, das lembranças, do passado. Ficamos livres. Livres para viver o momento. Livres para construir o futuro.

Quem vive sob o jugo do passado, sofre, chora, desconfia, perde a autoestima, desenvolve rancor, ódio, desejo de vingança, torna-se ansioso e até depressivo. Ou seja, não vive para si, vive em função do outro.

A vida é única. E curta demais. Não pode ser consumida por erros que nunca são serão reparados.

Deixe o passado onde ele deve ficar, e viva o presente, pois a vida é uma infinidade de futuros..!!!




*****


Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...