.
Aqui… com doçura, com paixão e alegria, vida, sorrisos, sucesso e amor; Sabedoria, esperança, caridade e diferenças; Saudades, liberdade, dúvidas e certezas; Entre amigos ou família, quem sabe outras crenças, dias de sol ou de chuva, sem frescuras… dividimos…"segredos".


○○○○○

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Saudades...


Saudade é companhia mesmo quando queremos andar sozinhos. É teimosia, daquelas sarna brava, que incomoda a alma. Chega com passos de algodão, mas tem força pra derrubar gente grande. Vem disfarçada de lágrima ou vestida de um sorriso bobo fora de hora. É história contada, lembrada pelos cinco sentidos, é sentir sem querer, é tentar reviver. Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear o choro diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche... Saudades... No seu dia.. Em qualquer dia... Sempre saudades....!!!



Gisele Mulek 




quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Amor só de letras....


Conta à história que dom Pedro II casou-se sem conhecer a sua noiva. Tinha visto um quadro com a cara da princesa, e só. Casamento de interesses políticos lá dos portugueses, fazer o que? E quando a moça chegou ao porto do Rio de Janeiro, consta que ele fez uma cara emocionada. Pela feiura da imperial donzela. Mas casou, era o destino, era a desdita.

Quantas historias já ouvi, das pessoas de "antigamente" que o moço ia pedir mão da moça e o pai dela dizia: – Essa está muito novinha. Leva aquela. E o moço levava, aquela que viria a ser sua esposa e mãe de uma penca de filhos. Ah, e a outra na maioria da vezes morria solteirona.

De um tempo para cá, o conceito da escolha foi mudando. Escolhia-se pela classe social, pela aparência, pelo que o outro oferecia, até ir para a cama antes, valia de critério para a escolha. Ficava-se antes, casava-se depois..!!

Só que agora, nesse início do século 21, surgiu um outro tipo de escolha, de casamento. O casamento por letras. Letras de textos. O texto virou casamenteiro. Apaixona-se, hoje em dia, pelo texto, pela palavra escrita, enviada e visualizada via internet. Via cabo, literalmente..!!

Conheço alguns casos de gente que conheceu gente por textos, que desmanchou relacionamentos de carne e osso por uma aventura no mundo das letras. Claro que estou me referindo aos encontros via Internet. Começa no chat, com o texto. Gostou do texto, leva para o reservado. E lá, rola. Encontram-se pessoas perdidamente envolvidas por textos belíssimos, de vírgulas acentuadas, exclamações sensuais e risos de entortar qualquer coração letrado ou iletrado.

Sim, pela primeira vez nesta nossa humanidade já tão velhinha, as pessoas estão se conhecendo primeiramente pela palavra escrita. Agora, o texto pode levar ao amor. Uma espécie de amor de texto, amor de perdição.

A relação, o namoro, começa ali no monitor. Você pode passar algumas horas, dias e até semanas sem saber nada da outra pessoa. Pois só conhece o texto dela. E é com o texto que vai se fazendo o charme. Você geralmente nem sabe se a pessoa é bonita ou feia, gorda ou magra, jovem ou velha. E, se não for esperto, nem se é homem ou mulher. Mas vai crescendo uma coisa dentro de você. Algo parecidíssimo com amor. Digo, pelo texto.

Pouco a pouco, você vai conhecendo os detalhes da pessoa. Idade, uma foto, a profissão, a cor. Inclusive onde mora. Sim, porque às vezes você está levando o maior 'lero' com o texto amado e descobre que ele vem lá do Panamá. Ou do Arroio Chui. 

Mas se o texto for bom mesmo, se ele te encanta de fato, você vai em frente. Mesmo olhando para aquela fotografia – que deve ser a melhor que ela tinha para te escanear (ou seria sacanear, me perdoando o trocadilho fácil) você vai em frente. “Uma pessoa com um texto desses…”.

A tudo isso o bom texto supera.

Jamais, em tempo algum, uma geração escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto. Se uma pessoas fica seis horas por dia ali, conectada, ou ela está lendo ou escrevendo. E mais, conhecendo pessoas. E amando essas pessoas. Ou os textos delas..!! No caso do amor ali nascido, a feitura, o peso, a cor, a idade ou a nacionalidade não importam. O que é mais importante é o texto. O texto é a causa do amor.

Para um amante da escrita, não vejo mal em amar os textos, se apaixonar pelas palavras de alguém, afinal o que pode mais querer um escritor do que uma geração apaixonada pelas palavras..?? Apenas reflito, será que conseguimos amar quem esta perto, com as mesmas palavras transformadas em atitudes, ou temos apenas um amor só de letras...!!????

Como diria Shakespeare, palavras, palavras, palavras.

Como diria Pelé, Love, Love, Love…



Gisele Mulek




*Uma pequena reflexão e adaptação do Texto "Amor só de Letras" de Mario Prado

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Eu não existo sem você..




Eu Não Existo Sem Você
Maria Bethânia


Eu sei e você sabe
Já que a vida quis assim
Que nada nesse mundo
Levará você de mim

Eu sei e você sabe
A distância não existe
E todo grande amor
Só é bem grande se for triste

Por isso meu amor
Não tenha medo de sofrer
Pois todos os caminhos
Me encaminham pra você

Assim como o oceano
Só é belo com o luar
Assim como a canção
Só tem razão se se cantar
Assim como uma nuvem
Só acontece se chover
Assim como o poeta
Só é grande se sofrer
Assim,como viver
Sem ter amor não é viver
Não há você sem mim
E eu não existo sem você


♪♫♪♫♪♫♪♫


domingo, 19 de janeiro de 2014

Permitir...


Quando foi a última vez que você tomou banho de chuva?? Aquele gostoso, sem se preocupar com o celular no bolso, os cartões do banco com microchip, a chapinha no cabelo, o sapato de verniz que não pode molhar, a camisa de seda indiana que não pode manchar? 

Quando foi que você se permitiu apenas ser, e não ter? Ser simples em essência, ser leve, ser grato, ser amor. Sem ódio e sem rancor. Sem querer ter mais do que pode, mais do que precisa, mais do que o outro tem? 

Devíamos aprender o atraso, aprender desacelerar, sair da rotina, olhar em volta, andar devagar, mudar o caminho de todos os dias quem sabe até se perder no seu próprio bairro. As pessoas precisam se permitir mais. Permitir  a viver, e não só existir. Permitir ter uma vida com essência. Com valor...  

E isso é o que tenho feito, me perdido, me desligado, reinventado.. estou mudando a rota, deixando para trás o que lá ficou, e seguindo em frente, vivendo as pequenas coisas, dia após dia, sem esperar muito do amanhã.. E devo dizer que estou muito feliz.. por estar me perdendo do fútil, do falso, da magoa, do desamor, e assim encontro um pouco mais de mim.. reencontro o caminho de volta.. pra casa, pra vida..!!

Obrigada meu Deus, por tua fidelidade sem fim..!!


Uma ótima semana pra você..!


Gisele Mulek



quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Em frente... sempre.


A vida é assim.. Quantas e quantas vezes já girou em falso, em rota contrária causando o desequilibro, e como sempre nessas ocasiões, a gente cai..! Cai, machuca, chora, desespera.. Mas, quando a gente começa tirar proveito dos tombos que a vida da, e aprender que cair é parte essencial do levantar, a gente cresce, e segue, mesmo que seja todo quebrado, de perna esfolada, cara arranhada, de miolo mole, de coração sangrando, aliás muitos até sem coração. Mas cada um vai como pode... E é isso que importa.. Não parar, não desistir de viver, jamais..!!!


Gisele Mulek

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Definição de um amor


Um senhor de bastante idade chegou a um consultório médico, pra fazer um curativo em sua mão, na qual havia um profundo corte. E muito apressado pediu urgência no atendimento, pois tinha um compromisso.

O médico que o atendia, curioso, perguntou o que tinha de tão urgente pra fazer. O simpático velhinho lhe disse que todas as manhãs ia visitar sua esposa que estava em tratamento numa clínica, com mal de Alzheimer em fase muito avançada.

O médico, preocupado com o atraso do atendimento, disse:
- Então hoje ela ficará muito preocupada com sua demora?
O velhinho respondeu:
- Não, ela já não sabe quem eu sou. Há quase cinco anos que não me reconhece mais.
O médico então questionou:
- Mas então para que tanta pressa em vê-la todas as manhãs, se ela já não o reconhece mais?
O velhinho então deu um sorriso e, batendo de leve no ombro do médico, respondeu:
- Ela não sabe quem eu sou… Mas eu sei muito bem quem ela é!

O médico teve que segurar suas lágrimas enquanto concluia que esse sim era um verdadeiro amor.


O verdadeiro amor não se resume ao físico, nem ao romântico, nem ao bonito e muito menos ao que possuímos. O verdadeiro amor é a aceitação de tudo que o outro é… suas qualidades e defeitos, o inteiro que se torna metade de nós. O verdadeiro amor não se vale de um momento de fraqueza ou de vangloria, mais sim de tudo que foi um dia… do que será amanhã… e também daquilo que já não é mais.. daquilo que deixou saudade, e faz a gente ter certeza de que amor existe, mesmo quando já não existe mais..!! 


Tenha uma semana abençoada.!


Gisele Mulek






sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Velha e Louca



Velha e Louca
Mallu Magalhães


Pode falar que eu não ligo
Agora, amigo
Eu tô em outra
Eu tô ficando velha
Eu tô ficando louca

Pode avisar que eu não vou
Oh oh oh
Eu tô na estrada
Eu nunca sei da hora
Eu nunca sei de nada

Nem vem tirar
Meu riso frouxo com algum conselho
Que hoje eu passei batom vermelho
Eu tenho tido a alegria como dom
Em cada canto eu vejo o lado bom

Pode falar que nem ligo
Agora eu sigo
O meu nariz
Respiro fundo e canto
Mesmo que um tanto rouca

Pode falar, não importa
O que tenho de torta
Eu tenho de feliz
Eu vou cambaleando
De perna bamba e solta

♪♫♪♫♪♫♪♫



É isso ai... pode falar que não ligo, pode falar que não me importo..
Que vale ser quem sou.. acertando, errando... acima de tudo aprendendo..
Não quero ser perfeita, quero ser feliz.. 


Gisele Mulek


quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

E por isso, sou eu..!!


Melancólica, sim. Instável, não nego. Intensa, sensível de monte. Tímida, talvez. De armadura valente, essência repleta de sentir e um coração molenga, sigo cortejando flores e dissabores. 

Com meus longos cabelos curtos e leves, com a face já refletindo anos de vivências, com as mãos recheadas pelo dom de trabalhar sempre e não parar nunca; levo na bolsa uma agenda cheia afazeres e idéias, na mente uma imaginação fértil e sem limites, na boca uma língua afiada que já não cala, no documento uma idade que muitos duvidam e no peito um coração devaneador.

Sou daquelas que sonha alto, que acredita mesmo que o vento não esteja a favor, que busca mesmo que esteja longe demais o ponto a ser alcançado, que tenta e não desiste até que a linha de chegada revele suas surpresas. Não vejo a vida com lentes coloridas, pois há sim dias cinzas, e muitos. Na minha bagagem não cabem mais promessas nem utopias, apenas há espaço para uma tendência desenfreada à esperança. 

O que você chama de otimismo eu prefiro chamar de confiança e de fé. De um querer infinito. De uma coragem pulsante da qual me visto pra poder viver. Já fui acometida pelo cansaço que desencoraja os sonhadores. Mas sou movida por uma teimosia e uma vontade de realizar que me põem de pé todas as manhãs. As inseguranças podem até me fazer visita mas não têm morada aqui. Elas não prendem meus passos.

Eu bem que tentei. Já quis ser diferente. Já até coloquei metas num papel: Esperar menos, tolerar mais; Apegar menos, abstrair mais; Me importar menos, relaxar mais; Insistir menos, dessintonizar mais. Mas não deu, não dá. Cada detalhe molda meus acabamentos. Cada ruína compõe meus alicerces. Cada estação, cada fase, cada vitória ou fracasso me fizeram hoje ser quem sou, alguém que pode muitas vezes até duvidar das pessoas e de suas intenções, mas continua a apostar na vida e no melhor de cada ser.

Minha teoria é simples. Não guardo segredos. Não teço mistérios. Verdades são sempre verdades, e não se encondem por muito tempo sob nenhum tapete de mentira. Meu sentir é sim exagerado, precipitado. Me jogo, me lasco, me entrego, me esfolo inteira. Melhor do que viver pela metade. Amar pela metade. Acreditar pela metade. Pra tombo há remédio, há curativo. Pra sonho desperdiçado, não.

Por isso gasto meus sorrisos, não passo vontades, não guardo choros, não contenho gritos. Por isso insisto em desafiar o tempo e as pedras do caminho. No meio do furacão, saio devastada mas sobrevivo à tempestade. E não paro, e não me basto. Recuar? Calar? Desistir? Verbos inexistentes no dicionário que inventei pra mim. Eu quero é pagar pra ver o final feliz acontecer. E fim.


Adaptado, desconheço autor.


Gisele Mulek







Ilusões...


Querendo ou não, a gente é assim mesmo. Se alimenta de esperanças sobre algo que não tem nenhuma chance de dar certo. Se alimenta de amores inexistentes e de palavras que não dizem nada. Somos assim. Vemos raios de sol e sentimos brisa, onde na verdade só tem vento e tempestade... Criamos coisas em nossas cabeças.. Ilusões e mais ilusões..  Isso, pra fugir da realidade que nos quebra e nos destrói pouco a pouco, todos os dias.


Gisele Mulek



terça-feira, 7 de janeiro de 2014

De repente...


Assim.. de repente ao dobrar uma esquina dou de cara com você que me prega um susto daqueles de mentirinha como as crianças fazem umas com as outras. Finjo que me assusto, sorrimos, você me abraça e vamos a um lugar qualquer tomar um sorvete, suco de abacaxi com hortelã ou comer açaí com frutas e chantilly... e assim, de repente, me pego pensando em você e o telefone toca e corta o meu pensamento e do outro lado do fio ouço sua voz que diz: estou pensando tanto em você... sintonia, telepatia, seja lá o que for.. queria tanto.. de repente.. um amor assim...!!


Gisele Mulek


sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Aparências Enganam


Assim como há a luz e a escuridão, o calor e o frio, o seco e o molhado, há também pessoas boas e más neste mundo. Elas estão em todo lugar, ao nosso redor, longe e perto. E com uma agravante: elas não usam etiquetas de identificação. Não está escrito na testa de ninguém: 'boa pessoa' ou 'má pessoa'. Ao contrário, as aparências enganam. Há lobos em pele de ovelha e ovelhas que são tachadas de lobos mas não são. E é aí que está o problema: a influência; a gente deixa se levar, e só depois descobre o quanto fomos enganados. A dura verdade é que há pessoas que são boas se ficarem bem longe de nós. Por isso, talvez uma de suas melhores atitudes ao começar esse novo ano seja deixar certas 'amizades' — faça uma limpeza geral. Quem soma, fica. Quem diminui, sai. Sem dó. Ame todo mundo como diz o mandamento, mas escolha bem os seus amigos.. eles vão lhe influenciar..! 


Gisele Mulek


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...