.
Aqui… com doçura, com paixão e alegria, vida, sorrisos, sucesso e amor; Sabedoria, esperança, caridade e diferenças; Saudades, liberdade, dúvidas e certezas; Entre amigos ou família, quem sabe outras crenças, dias de sol ou de chuva, sem frescuras… dividimos…"segredos".


○○○○○

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Feliz Ano Novo...!!!


Mais um ano que termina, mais uma etapa percorrida, dias de muitas lutas, mais também de muitas conquistas. Com certeza um ano onde vi a fidelidade de Deus em minha vida, mesmo com meus erros e imperfeições, posso dizer Deus é Fiel!!!

De tudo que vivi, vale saber que foi com verdade, com a alma, com o coração... Não me importo se sou emoção demais, o que me importa é saber que... sorri, chorei, gritei, briguei, acolhi, sonhei, realizei, amei.. e não desisti da minha VIDA!!!

Que vale é seguir aprendendo, hora errando, corrigindo, hora acertando, mais sempre crescendo, aperfeiçoando, que vale é saber transformar as dificuldades em possibilidades, é saber aproveitar as oportunidades, e não desistir nunca, pois a vida segue numa via onde não temos retorno, então viva o hoje com entusiasmo.

Desejo para este novo ano, novas conquistas, novos sonhos, novas realizações... Desejo que Deus se faça presente em minha vida, em minha casa, em meu trabalho, em todas as minhas escolhas, que meu caminho seja iluminado pela Sua luz.

Desejo a todos meus familiares, amigos, colegas, companheiros aqui deste blog, as mais ricas bênçãos de Deus, um ano repleto de paz, harmonia, alegria, saúde, prosperidade, esperança, fé e amor...

E não esqueça, o novo começa dentro de nos, então que possamos viver intensamente cada momento, pois a vida é uma dádiva e cada instante é um presente de Deus.

Que venha 2011!!!

Feliz Ano Novo...!!!


Gisele Mulek

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Adeus...!!!


Um adeus nunca é planejado, talvez até esperado...

O adeus confere aos mortais um insustentável sentimento de vazio...


Não, um adeus jamais é esperado... é desesperado...


Adeus é um até amanhã que não disse a verdade para que só doesse depois...


O adeus é uma deixa para que o destino entre em cena...

Eu nunca gosto de dizer adeus... mais há um vento que nós carrega...

Que sopra, e impulsiona cada um de nós... e nos leva pela vida...

Não o vemos, nem podemos dominá-lo.. e as vezes nem entendemos o seu propósito...

Até gostaria de ficar mais tempo, mais esse vento esta me levando embora..

Sentirei falta...

Mais sigo, entendendo que o poder que me impulsiona, que me impele...

O faz com conhecimento Superior, de que assim é melhor...

É nisso que acredito....


Gisele Mulek


segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Forças renovadas...


Nós nos abatemos sim, somos pessoas comuns, somos seres humanos, e seres humanos estão sujeitos a momentos de angústia, de decepção e até de desânimo porque não. Poxa, nós trabalhamos tanto, tentamos agradar a todos, sempre sorrindo, sendo "ombro amigo" de tanta gente, nos esforçamos para agradar e de repente, as pessoas vem com pedras e paus na mão, com palavras ásperas nos ofendem, caluniam e inventam estórias, e temos de ser bonzinhos?

Claro que ninguém tem de ser bonzinho diante das injustiças, diante das falsidades e de gente prepotente, mas isso não quer dizer que devemos nos angustiar, nos martirizar, arrancar os cabelos (talvez os últimos fios rss), só porque não viram nosso melhor sorriso, nossa melhor roupa, nosso esforço, nosso "sacrifício".

Para se prevenir desses ataques de decepção, pare de fantasiar com pessoas e fatos que não estão sob o seu controle, não mandamos nem nos nossos pensamentos, imagine comandar uma outra pessoa, não é verdade? Nós podemos e devemos sonhar, mas nunca fantasiar, criar uma realidade que só existe em nossa cabeça, porque fatalmente iremos quebrar a cara, os braços, a boca e outras partes...

Aprenda a sentir o gostinho de viver com liberdade, livre-se dos chatos, dos sugadores de energia que vivem rondando a sua vida, dos falsos amores, dos falsos amigos, das falsas verdades. Quer saber como? Com a velha receita: ame-se, respeite-se, goste do seu cheiro e até dos seus erros. Não se recrimine, não fique se comparando com ninguém, não aceite que outros venham te comparar com irmãos, amigos ou outros seja lá quem for.

Concentre-se no seu melhor, dentro de você tem uma lâmpada que irradia felicidade, acenda essa luz, não deixe ninguém apagá-la, principalmente você mesmo(a), com pensamentos negativos, com previsões negativas do futuro, com incertezas que são criadas apenas na sua cabecinha.

Para chegar a algum lugar é preciso dar o primeiro passo, ninguém anda mil metros se não der o primeiro passo. O primeiro passo para você ser feliz é se aceitar como você é, e buscar através de renovação dos pensamentos e de atitudes, melhorar-se a cada dia!. Acenda a sua luz e atraia mais luzes para perto de você.


*****

Mas os que esperam no SENHOR renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão. Isaias 40:31

Uma ótima semana a todos..e aproveite bem... é a ultima do ano.. rs.


Gisele mulek

domingo, 26 de dezembro de 2010

Pássaro novo.....


Somos como pássaros novos longe do ninho, descobrindo o mundo, seguimos fazendo nossa historia construindo um caminho.

Podemos cometer erros, porque estamos aqui para aprender. O que não podemos é permanecer no erro, mudar significa crescer.

Maior aprendizado nesse caminho é aprender a valorizar as pessoas e não as coisas. Bem material se perde, não levamos nada dessa vida. Mais a amizade, o amor, isso é eterno.

Nossa verdade é o que esta no coração, é o que transmite nossos olhos, então seja leve, seja livre, se permita simplesmente viver. Seja em vôo solo, ou coletivo, precisamos voar.

Como pássaro novo, alce seu primeiro vôo, e mesmo com medo e inseguranças, viva, sempre almejando ir mais longe.

E no caminho, nunca perca essa adrenalina do primeira vôo, pois é isso que nos move, e nos faz ir além.

A vida é simples, basta vivê-la....!!!


Gisele Mulek

sábado, 25 de dezembro de 2010

Feliz Natal...!!!


É natal...

É momento de alegria, de contentamento, de família reunida; não apenas para uma troca de presentes ou para saborear uma mesa farta, mais para demonstrar o verdadeiro significado desta data tão especial.

Pois é momento de renovar a fé e a esperança, de manter vivo dentro de nos aquele que veio a este mundo com propósito maior de nos dar vida, pois sem Ele, nada disso existiria.

Então que seja este um momento de renascer, momento de rever conceitos, momento de perdão, momento de demonstrar amor verdadeiro, momento de valorizas as pessoas, de reaver amigos, de manter amigos, momento de se doar.

Momento de reaprender a viver com simplicidade, de valorizar e agradecer o que temos, e te ter coragem de lutar para alcançar sonhos..

Desejo a todos um Feliz Natal, que Cristo renasça em nos todos os dias, e que possamos fazer dEle nosso modelo de vida.

Grande Abraço, Feliz Natal!!


Gisele Mulek


sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Nasceu Jesus....



"Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz". Isaias 9:6

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Vivendo acima do perigo...!!!


O Rio, o Ivinhema. Sob as águas tépidas um tronco submerso. Um pequeno galho seco sobressai o marolar das águas. Creio, um metro e meio acima da correnteza. Altura suficiente para não ser coberto na próxima enchente do rio. Na extremidade do galho um pequeno oco. Largura suficiente para permitir a entrada de duas lindas andorinhas brancas.

Românticas, ali construíram o seu ninho. Lá estavam os filhotes. Sempre famintos a chilrar a música do quero mais. Para atendê-los, pai e mãe andorinha iam e vinham céleres com o alimento predileto dos pequenos famintos. Pequeníssimos insetos.

À noite, resolvemos aproximar com o barco. Investigar aquela família especial a transmitir uma bela aventura de fé. O que vimos não há como descrever em palavras. Quadros há na vida que a própria vida não consegue explicar. Ou melhor, não conseguimos entender a exposição deles.

Ali estavam dois pequeninos pássaros que sobrevivem de minúsculos insetos, reunidos em família, sob a proteção do argênteo luar a refletir sobre as águas. Um deles montava guarda à porta do ninho, enquanto o outro aquecia com suas macias penas os filhotes.

Não falamos. Apenas admiramos. Em silêncio e respeitosamente deixamos o barco deslizar sobre as águas. Aquele ninho, no pequenino buraco de um galho seco sobre as águas possuía e transmitia uma mensagem desafiadora a nós humanos.

Encantado com a beleza daquelas andorinhas brancas, à mente chegou o corre-corre diário de todos nós. Casas equipadas com mil e um móveis, mas sem a paz e a tranqüilidade daquele ninho. Famílias reunidas e desunidas sob o mesmo teto, mas sem o calor daquele amor a aquecer os filhos. Despensa, geladeira, freezer repletos de guloseimas especiais contrastando com aquele ninho que não possui nenhuma reserva alimentícia para o dia seguinte. Razão simples: aquelas andorinhas comprovam a bela afirmação de Jesus Cristo a desafiar: “Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber, nem quanto ao vosso corpo pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais que o mantimento, e o corpo mais que o vestido? Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros, e o vosso pai celestial as alimenta. Não tende vós muito mais valor que elas?” (Mateus 6:25-26)

Claro que temos mais valor que uma pequena andorinhas, mas às vezes não cremos neste valor. Temos mais inteligência e construímos casas mais seguras, mas não conseguimos envolvê-las com a paz existente naquele ninho. Colocamos chaves, cadeados, segredos e alarmes em nossas casas, mas não conquistamos a segurança e a tranqüilidade daquele ninho. Por quê?

Razão simples: Falta-nos a capacidade de descansar nas promessas divinas. Saber que o Senhor cuida de nossas criaturas. Que é possível construir sobre a correnteza da própria violência moderna e descansar em paz sob a proteção do Senhor. Vivemos sempre em perigo e nele envolto. Deus, no entanto, desafia-nos a viver acima do perigo convictos de que jamais seremos abandona-dos.

No correr dos dias do ano, no vai-e-vem febril da vida agitada que o envolve, é bom parar e contemplar duas andorinhas com seus pequeninos filhotes (vale a redundância) a desafiar-nos: “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia n’Ele e Ele tudo fará.” (Salmos 37:5), pois “basta a cada dia o seu mal” (Mateus 6:14). Assim procedendo, você será feliz.





*****

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Escolhas de uma vida


A certa altura do filme "Crimes e Pecados", o personagem interpretado por Woody Allen diz: "Nós somos a soma das nossas decisões".

Essa frase acomodou-se na minha massa cinzenta e de lá nunca mais saiu. Compartilho do ceticismo de Allen: a gente é o que a gente escolhe ser, o destino pouco tem a ver com isso.

Desde pequenos aprendemos que, ao fazer uma opção, estamos descartando outra, e de opção em opção vamos tecendo essa teia que se convencionou chamar "minha vida".

Não é tarefa fácil. No momento em que se escolhe ser médico, se está abrindo mão de ser piloto de avião. Ao optar pela vida de atriz, será quase impossível conciliar com a arquitetura. E no amor, a mesma coisa: namora-se um, outro, e mais outro, num excitante vaivém de romances. Até que chega um momento em que é preciso decidir entre passar o resto da vida sem compromisso formal com alguém, apenas vivenciando amores e deixando-os ir embora quando se findam, ou casar, e através do casamento fundar uma parceria, com direito a casa própria, orçamento doméstico e responsabilidades.

As duas opções têm seus prós e contras: viver sem laços e viver com laços... Escolha: Todas as alternativas são válidas, mas há um preço a pagar por elas.

Por isso é tão importante o auto conhecimento. Por isso é necessário ler muito, ouvir os outros, estagiar em várias tribos, prestar atenção ao que acontece em volta e não cultivar preconceitos. Nossas escolhas não podem ser apenas intuitivas, elas têm que refletir o que a gente é. Lógico que se deve reavaliar decisões e trocar de caminho: Ninguém é o mesmo para sempre.

Mas que essas mudanças de rota venham para acrescentar, e não para anular a vivência do caminho anteriormente percorrido. A estrada é longa e o tempo é curto.Não deixe de fazer nada que queira, mas tenha responsabilidade e maturidade para arcar com as conseqüências destas ações.

Lembrem-se: suas escolhas têm 50% de chance de darem certo, mas também 50% de chance de darem errado. A escolha é sua...!


*****


Nossas escolhas devem ser verdadeiras, e carregadas de maturidade suficiente para lidar com os resultados, sejam eles bons ou maus. Aceitando as incertezas e as dificuldades como e quando elas se apresentam, lutando para sair delas com ânimo e coragem.

Acredito que o destino pouco tem a ver com as escolhas pessoais; penso que o acaso não existe, pois cada ser humano está a todo instante, construindo o seu amanhã.

Afinal, colhemos o que plantamos!!

Pense bem.. você faz suas escolhas... e suas escolhas fazem você!!

Um ótimo final de semana a todos.

Gisele Mulek

domingo, 12 de dezembro de 2010

Adversidades.....


Uma filha se queixou ao pai sobre a vida e sobre como as coisas estavam difíceis para ela. Seu pai, um chef, levou-a até a cozinha dele. Encheu três panelas com água e colocou cada uma delas em fogo alto, até ferver. Numa panela colocou cenouras, noutra colocou ovos e, na última, pó de café. Deixou que tudo fervesse, sem dizer uma palavra.

Cerca de vinte minutos depois, ele apagou as bocas de gás. Pescou as cenouras e os ovos e colocou numa tigela. Pegou o café com uma concha e colocou-o numa xícara. Virando-se para a filha, perguntou: Querida, o que você está vendo? Cenouras, ovos e café, ela respondeu.

Ele trouxe a filha para mais perto e pediu para ela experimentar as cenouras, o ovo e o café. Ela obedeceu e notou que as cenouras estavam macias, os ovos mais duros por causa da fervura e o café tinha um aroma delicioso. Ela perguntou humildemente: O que isto significa, pai?

Ele explicou que cada um deles tinha enfrentado a mesma adversidade: A água fervendo. Só que cada um reagiu de maneira diferente.

A cenoura entrou na água forte, firme e inflexível. Mas depois da água fervendo, amoleceu e ficou frágil.

Os ovos eram frágeis. Sua casca fina havia protegido o líquido interior. Mas depois de terem sido colocados na água fervendo, a parte de dentro ficou mais dura.

O pó de café, contudo, era incomparável. Depois que foi colocado na água fervente, ele mudou a água.

Qual deles é você? Quando a adversidade bate à sua porta, como você responde?

Você tem se sentido frágil diante das adversidades, perdendo a firmeza que sempre o manteve seguro?? Ou tem deixado os problemas e angustias da vida endurecer seu coração?

Ou será que tem superado as altas temperaturas da vida onde muitas vezes somos ensartados; e conseguido transformar o ambiente, as pessoas, e a você mesmo?? Pois penso que tudo na nossa vida está conectado na nossa forma de pensar e de agir.

Somos diariamente testados, provados, mais creio que Deus nos capacita a vencer, depende de nossas atitudes; sempre digo, que o que podemos fazer, Ele não fará, então entregue sim sua vida a Ele, mais não seja passivo, vá em frente, lute, busque, cresça, aprenda, evolua.

Use as adversidades a seu favor, faça das pedras degrau para seu caminho, creia e permaneça firme em sua fé, pois somente assim poderemos mudar as circunstâncias desfavoráveis que muitas vezes nos cercam.


Um grande abraço, uma semana abençoada em Cristo!!


Gisele Mulek


segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

O campo de abacaxis....


Esta é uma história verídica.

A história do campo de abacaxis aconteceu na Nova Guiné. Ela durou sete anos. É uma ilustração profunda de um princípio bíblico básico aplicado. Ao ler este relato original, você descobrirá que ele é um exemplo clássico do tipo de lutas que cada um de nós enfrenta até que aprenda a aplicar o princípio de renúncia aos direitos pessoais.

Minha família e eu trabalhamos com pessoas bem no meio da selva. Um dia, resolvi levar para aquela região alguns abacaxis. O povo já tinha ouvido falar de abacaxis. Alguns já os haviam provado, mas não tinham meios de consegui-los. Busquei então, mais de cem mudas de uma outra missão. Contratei um homem da aldeia, e ele plantou todas as mudas. Eu o paguei pelo serviço prestado (sal e diversas outras coisas que necessitava) e durante dias ele trabalhou. Precisei ter muita paciência até que as pequenas mudas de abacaxi se tornassem arbustos grandes e produzissem abacaxis.

Demorou uns três anos. Lá no meio da selva, você às vezes tem saudades de comer frutas. Não é fácil conseguir frutas e verduras frescas.

Finalmente, no terceiro ano, pudemos ver surgir abacaxis que davam "água na boca", e só estávamos esperando o Natal chegar, porque é nesta época que eles ficam maduros. No dia de Natal minha esposa e eu saímos ansiosos para ver se algum abacaxi já estava pronto para ser tirado do pé, mas tivemos uma surpresa desagradável após a outra. Não conseguimos colher nem um só abacaxi.

Os nativos haviam roubado todos! Eles os roubavam antes de ficarem maduros. É costume deles, roubar antes que as frutas amadureçam e assim o dono não as possa colher.

E aqui estou eu, um missionário, ficando com raiva dessas pessoas. Missionários não devem ficar com raiva, vocês todos sabem disto, mas fiquei e eu disse a eles: “rapazes, eu esperei três anos por estes abacaxis. Não consegui colher um único deles. Agora outros estão amadurecendo, se desaparecer mais um só destes abacaxis, fecharei a minha clínica.”

Minha esposa dirigia a clínica. Ela dava gratuitamente todos os remédios àquela gente. Eles não pagavam nada! Nós estávamos nos desgastando tentando ajudá-los, cuidando de seus doentes e salvando as vidas de suas crianças. Os abacaxis ficaram maduros e um por um foi roubado! Então achei que deveria me defender deles. Eu simplesmente não podia deixar que fizessem comigo o que queriam... Mas a verdadeira razão não era esta.

Eu era uma pessoa muito egoísta, que queria comer abacaxis. Fechei a clínica. As crianças começaram a adoecer, não podiam evitar, a vida era bastante difícil naquela região. Vinham pessoas com gripe, tossindo e pedindo remédio e nós dizíamos: “Não! Lembrem-se que vocês roubaram nossos abacaxis”. “Não fui eu!” – eles respondiam – “foram os outros que fizeram isso”. E continuaram tossindo e pedindo. Não conseguimos manter mais a nossa posição; reabrimos a clínica. Abrimos a clínica e eles continuaram roubando nossos abacaxis.

Fiquei novamente louco raiva e resolvi fechar o armazém. No armazém eles compravam fósforos, sal, anzóis, etc. Antes eles não tinham essas coisas, por isso não iriam morrer sem elas. Comuniquei minha decisão: “vou fechar o armazém, vocês roubaram mais abacaxis”.

Fechamos o armazém e eles começaram a resmungar: “vamos nos mudar daqui porque não temos mais sal. Se não há mais armazém, não há vantagem para ficarmos aqui com esse homem. Podemos voltar para nossas casas na selva” e se mudaram para a selva.

E ali estava eu, sentado comendo abacaxis, mas sem pessoas na aldeia, sem ministério, sem condições de aprender a língua para traduzir a Bíblia. Falei com minha esposa: “Podemos comer abacaxis nos Estados Unidos, se é só o que temos para fazer”.

Um dos nativos passou por ali, e eu lhe pedi para avisar que na segunda-feira abriria novamente o armazém. Pensei e pensei em como resolver o caso dos abacaxis... Meu Deus! Deve haver um jeito o que posso fazer?

Chegou o tempo de minha licença e eu aproveitei para ir a um Curso Intensivo para Jovens. Lá ouvi que deveríamos entregar tudo a Deus. A Bíblia diz que se você der você terá; se quiser guardar para si, perderá tudo. Dê todas as suas coisas a Deus e Ele zelará para que você tenha o suficiente.

Este é um princípio básico. Pensei o seguinte: “amigo, você não tem nada a perder. Vou entregar o caso dos abacaxis a Deus...” Eu sabia que não era fácil fazer um sacrifício! Sacrificar significa você entregar algo que você gosta muito, mas eu decidi dar a plantação de abacaxis a Deus e ver o que Ele faria. Assim, saí para plantação, à noite e orei: “Pai, o Senhor está vendo estes pés de abacaxis? Eu lutei muito para colher alguns. Discuti com os nativos, exigi meus direitos. Fiz tudo errado, estou compreendendo agora. Reconheço o meu erro, e quero entregar tudo ao Senhor. De agora em diante, se o Senhor quiser me deixar comer algum abacaxi, eu aceito caso contrário, tudo bem, não tem problema".

Assim, eu dei os abacaxis a Deus e os nativos continuaram roubando-os como de costume. Pensei com meus botões: “Deus não pôde controlá-los” Então um dia, eles vieram falar comigo: “Tu-uan (que significa estrangeiro) o senhor se tornou cristão, não é verdade?” Eu estava pronto para dizer: “Escute aqui, eu sou cristão já há vinte anos!”, mas em vez disto eu perguntei: “por que vocês estão perguntando isso?” “Porque o senhor não fica mais com raiva quando roubamos seus abacaxis”, eles responderam. Isso me abriu os olhos. Eu finalmente estava vivendo o que estivera pregando a eles. Eu lhes tinha dito que amassem uns aos outros, que fossem gentis, e sempre exigia os meus direitos e eles sabiam disso. Depois de algum tempo alguém perguntou: “Por que o senhor não fica mais com raiva?” “Eu passei a plantação adiante”, respondi, “ela não pertence mais a mim, por isso vocês não estão mais roubando os meus abacaxis e eu não tenho motivos para ficar com raiva”.

Um deles arriscando perguntou: “para quem o senhor deu a plantação?” então eu disse: “Dei a plantação para Deus”. “A Deus?” – exclamaram todos – “ele não tem abacaxis onde mora!” “Eu não sei se lê tem ou não abacaxis onde mora”, respondi – “eu simplesmente lhe dei os abacaxis”.

Eles voltaram para a aldeia e disseram para todos: “vocês sabem de quem estamos roubando os abacaxis? Tu-uam os deu a Deus” e começaram a pensar sobre o assunto... E combinaram entre si: “Se os abacaxis são de Deus, agora não devemos mais roubá-los” Eles tinham medo de Deus.

Os abacaxis novamente começaram a amadurecer. Os nativos vieram para me avisar: “Tu-uan, seus abacaxis estão maduros”. “Não são meus, eles pertencem a Deus” – respondi. “É melhor o senhor comer, pois vão apodrecer”. Então colhi alguns, e deixei também para os nativos.

Quando me sentei à mesa com minha família para comê-los, eu orei: “Senhor, estamos comendo seus abacaxis, muito obrigado por me dar alguns.”. Durante todos os anos em que estive com os nativos, eles estiveram me observando, e prestando atenção às minhas palavras. Eles viam que as duas coisas não combinavam. E, quando eu comecei a mudar, eles também mudaram. Em pouco tempo, muitos se tornaram cristãos.

O princípio da entrega a Deus, estava funcionando realmente. Eu quase não acreditei... “Mais tarde, passei a entregar outras coisas para Deus”.


*Extraído do livro A Verdadeira Felicidade (estudo sobre As Bem Aventuranças)– Jaime Kemp - Editora Sepal



*****


Confia no SENHOR e fazê o bem; habitarás na terra, e verdadeiramente serás alimentado. Deleita-te também no SENHOR, e te concederá os desejos do teu coração. Entrega o teu caminho ao SENHOR; confia nele, e ele o fará. E ele fará sobressair a tua justiça como a luz, e o teu juízo como o meio-dia.Descansa no SENHOR, e espera nele; Salmos 37: 3 a 7.

Uma semana abençoada a todos!!



Gisele Mulek


domingo, 5 de dezembro de 2010

Colhendo Sonhos..!!!


Com as mãos cheias de sonhos,
fui para o campo, fazer o plantio.
E semeando a cada um deles eu
pude perceber o quanto são valorosos.
E resolvi vê-los crescer e os vi tão
desenvoltos, que abriu sob minha
cabeça um céu de esperança e sobre
os meus pés um mar de amor...
E quando comecei a colher os sonhos
que cresceram diante dos meus olhos,
emaranhado ao meu corpo como se
saíssem de mim feito galhos de arvores,
entendi que sonhar é preciso.


*****

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Contagiante....


Hoje, andando pela rua com minha caçula, minha pequena Rebeca de dois anos e meio, vivi algumas curiosidades.

Para ela na verdade tudo é curioso, e por alguns momentos passei a observá-la mais atentamente, e percebi como as coisas simples a cativam e prendem sua atenção. Coisas que muitas vezes passam por nos despercebidas, pois estamos num ritmo tão frenético em nossas correrias diárias, que nem damos atenção para coisas "seculares".

Ela se encantou com a fonte de água no meio da Rua XV, já passei por lá tantas vezes, sei que a fonte esta lá, mais nunca parei para olhá-la, e hoje (rs) impressionante como é bonita, no meio do agito, lá esta ela, para enfeite, para chamar atenção, de poucos, como a minha menina.

Ela olhou atentamente os enfeites de natal que começam a ser colocados pelas calçadas, em particular algumas árvores de ferro em formato de pinheirinhos, algumas verdes, outras brancas, essa diferença de cores, também visto por ela, que ao ver a árvore branca exclamou: “esta suja neh mamãe”... sorri é confirmei... mas no mesmo instante pensei... mal olhei, e ela no entanto percebeu além da própria árvore.

Sem contar os pássaros, que ela teima em tentar pegar (rs), as lojas de calçados, as bancas de revista, tudo para ela é espetacular, com direito a comentários inacreditáveis.

Ela avistou um homem vestido de “papai-noel” soltou das minhas mãos e saiu correndo em direção a ele, sem cerimônias disse: “oi, tudo bem com você” (rs), irresistível neh, ele a tomou nos braços e perguntou: o que quer de presente de natal, e ela prontamente respondeu: “um violão” , sorriu e voltou para mim.

Mais adiante, ela fitou um senhor sentado na calçada, e aquele velho, sujo, mal cheiroso, carrancudo, diante dela também não resistiu e sorriu pra ela.

Um pouco mais a frente estava passando um carro todo de enfeites natalinos, que ninguém dava muita importância, mais ela parou, disse: "música" ficou ali olhando, e as pessoas que passavam, paravam para olhar para ela, ver encanto que tinha em seus olhos e sorriam.

Ela em sua simplicidade consegue ver um mundo sem maldades, com seu colorido, com sua alegria, consegue fazer os outros sorrir, mesmo sem conhecê-los.

Isso me fez pensar, naquele texto onde Jesus diz "Deixai vir a mim os pequeninos, e não os impeçais, porque dos tais é o reino de Deus; Em verdade vos digo que, qualquer que não receber o reino de Deus como menino, não entrará nele".

Penso que é a essa simplicidade que se refere, nesse jeito ingênuo de ver o mundo e as pessoas, de viver sem se preocupar o que os outros vão pensar ou dizer, de ser verdadeiro, e de valorizar as pequenas coisas.

Tão pequena, mais tão contagiante...


Mamãe coruja... rs... Gisele Mulek

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Quando eu chorar.....



...Escondo-me a um canto, com um nó na garganta e a sós, então chorarei... pelo que tinha a chorar... pelo que não tinhas... talvez apenas para alma lavar... e o coração aliviar... não.. não vou minhas lágrimas conter... deixar elas e o silêncio falar...!!!


segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Não Serve...!!!


Não me serve, um amor que não me ame,
Que não me veja,
Que não enxergue através dos meus olhos,
Que não veja a minha alma através do corpo que carrego,
Que não veja os valores que trago,
Que não veja o ser humano repleto de defeitos e fraquezas,
E a mulher cheia de virtudes,
E a minha luta diária pra melhorar sempre,
Não me adianta um futuro pré-visto,
As surpresas fazem a nossa vida acontecer melhor,
Não me adianta um amor cheio de tantas “coisas”,
Se visto mais de perto, tão vazio,
Não me adianta um amor tão sublime e superior,
Que não seja capaz de ver sentimentos nos pequenos atos,
Que não tenha coragem de ser vivido,
Que não anseie pelo som da minha voz,
Que não veja a alma explodindo pelos poros,
Que não faça dos meus braços o seu porto seguro,
Que não perceba a alegria em estar,
Não me adianta um amor receptivo,
Que não entenda que o amor é troca,
Que não devolva sentimentos,
Que não perceba a importância de doar,
De nada me servem boas notícias incompletas,
Repletas de dúvidas e desencontros,
Que meu amor venha de qualquer lugar,
Que não seja oposto e nem igual,
Que seja diferentemente parecido,
Que as almas se encontrem,
Que os corpos se atraiam,
Que a mentes se entendam e se perdoem,
Que os olhos vejam através de suas cores,
Que tenha o calor do sol do verão,
O aconchego de uma fria e cinza tarde de inverno,
Que tenha o som de uma doce melodia,
Que o desejo pulse como o som de uma batucada,
Que seja maleável, completo, compreensivo,
Que tenha alegria, sorrisos, união,
Porque o amor é união,
E se não for pra acrescentar… então, não me serve!

Por Carolina Mulek ( http://carolmulek.wordpress.com/2010/11/29/e-preciso-ter-coragem/ )


*****

Frases!!!!

"...Saudade é amar um passado que ainda não passou; É recusar um presente que nos machuca; É não ver o futuro que nos convida..."

sábado, 27 de novembro de 2010

Renúncia...!!!


Costumamos valorizar muito o “ter”, quem tem importância geralmente são aqueles homens práticos que fazem progresso material, que promovem grandes feitos, homens de grande eloquência, homens que demonstram posição de autoridade, de atitudes fortes; para eles todas as homenagens.

Ensinava o teólogo e filósofo Albert Schweitzer, que herói não é o homem da ação, mas herói é o homem da renúncia. Pois renunciar é, sobretudo, um ato de coragem e poucos conseguem praticá-lo. Afinal é muito mais fácil apegar-se do que desapegar-se.

O ato da renúncia é mais louvável do que o ato do apego, mas a gente vive o tempo todo se apegando às coisas, ás pessoas, aos lugares, como se essas coisas, essas pessoas, esses lugares estivessem, sempre à nossa disposição.

O medo que sentimos frequentemente é o medo das nossas perdas, perda da mocidade, perda do dinheiro, perda da saúde, perda do prestígio, perda do amor, perda do emprego, perda da amizade, isso porque, somos egoístas.

Pensando em renúncia, me vem à mente a historia (Mateus 19) sobre o moço rico que indaga a Jesus sobre o que é preciso para alcançar a vida eterna; pois o rapaz possuía muitos bens e dinheiro, e era muito religioso, pois afirmava guardar todos os mandamentos; no conceito dos homens, ele era bom moço, mais ele queria a certeza do paraíso.

“E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe: Bom Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna?” Então Jesus lhe disse: “Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me”. Mateus 19:21 e 22

E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, envergonhado até, sem dizer uma palavra, pois o preço do paraíso era muito alto. Seus bens eram muitos, e renunciar a todos eles, e aos interesses inseridos, jamais; afinal foi tão difícil formar um patrimônio; porém, mais difícil, ainda, foi renunciar, ou melhor, desapegar-se.

A renúncia que Jesus queria era a renúncia ao apego, porque o apego é o que nos escraviza, é o que nos atormenta, é o que nos angustia, é o que nos torna infelizes, deprimidos, egoístas.

Afinal não é o ato da renúncia em si que importa. O que importa é o espírito da renúncia; você pode ter muitos bens e não ser apegado a eles. Deve ter consciência de que tudo passa, pois chegará, um dia, em que teremos de abandonar tudo aqui, num piscar de olhos. Ninguém é proprietário de nada nem de ninguém, a não ser de sua própria consciência.

É difícil renunciar.

Não digo a renuncia somente de bens materiais ou a riqueza, ou as propriedades; mais penso que é ainda mais difícil renunciar nosso ego, renunciar certos sentimentos, como o orgulho, o ódio, à vingança, aos ressentimentos, à inveja, à vaidade, à paixão; eis aqui o grande heroísmo.

Portanto, desapegue-se, aprenda a renunciar, a si mesmo se for preciso, pois nosso maior exemplo esta em Cristo, que renunciou a própria vida, para dar a todos, chance de vida eterna!!!


Um final de semana abençoado!!
Graça e Paz em Cristo!!

Gisele Mulek

terça-feira, 23 de novembro de 2010

O segredo de um olhar...!!!


Dizem que quem não consegue compreender um olhar jamais conseguirá compreender palavra alguma. Um olhar diz muito, é num momento de silêncio onde olhares se encontram que grandes verdades são reveladas.

Palavras de amor pronunciadas é acalento para alma, alegria para o coração, mais de nada valem se através dos olhos não surgir expressão da verdade, palavras se tornam vazias, é que os olhos transmitem o que se passa na essência, mesmo quando a boca fala o contrario.

Palavras proferidas no calor de uma discussão provocam dor, pois falamos muito, demasiadamente, e geralmente coisas que às vezes nem sentimos, falamos por defesa; mais muitas vezes é nesse momento em que ao olhar nos olhos vemos expressão de amor e não de raiva, e então compreendemos o segredo de um olhar.

Não é a toa que se diz que os olhos são a janela da alma, pois através deles podemos conhecer alguém verdadeiramente, podemos decifrar uma verdade, ou descobrir uma mentira, podemos ver alegria e também reconhecer a tristeza, podemos compreender o incompreendido; através de um simples olhar podemos falar mesmo em silêncio, podemos transmitir sensações que podem vivificar ou destruir.

Conta-se que Raoul Follereau, um jornalista francês que dedicou sua vida ao cuidado dos leprosos, ao visitar um leprosário em uma ilha do Pacífico, ficou surpreendido ao encontrar, entre os rostos desfigurados e quase sem vida, um homem que conservava os olhos límpidos, vivíssimos, e com um sorriso que a todos iluminava sempre que lhe diziam uma palavra amável ou lhe davam alguma coisa.

Quando quis saber o que mantinha esse leproso tão agarrado à vida, disseram-lhe que observasse o que lhe sucedia todas as manhãs. E o jornalista descobriu que, todos os dias, o homem descia para o pátio e sentava-se diante do alto muro que cercava o leprosário. Esperava ali, paciente, até que, no meio da manhã, aparecia, durante alguns segundos por cima do muro, um rosto já idoso e cheio de rugas, que lhe sorria com um olhar de amor. Então o homem comungava aquele sorriso e sorria também.

Era o rosto de sua amada esposa que, com fidelidade, todos os dias vinha contemplá-lo. A seguir, a imagem da velhinha desaparecia, mas o doente resplandecia, pois já tinha alimento para agüentar mais uma jornada e aguardar que, no dia seguinte, regressasse o olhar sorridente que lhe garantia a existência, ele comentava: "Ao vê-la, sei que ainda estou vivo!"

O olhar amoroso da esposa era, de fato, suficiente para transfigurar aquele homem dando-lhe esperança e vida. É que um olhar de amor faz esquecer as dores e restaura o ânimo, tem uma poderosa força, pois é sinal visível do amor de Deus.

Então, seguindo os passos dEle, sejamos, hoje, portadores de um olhar de amor e façamos a diferença na vida daqueles cujos olhos se encontram com os nossos.

"As mais lindas palavras de amor são ditas no silêncio de um olhar". (Leonardo da Vinci)


Gisele Mulek



segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Parabéns Vovó.....

Dona Tereza, mulher de fibra, de garra, a mãe que criou os cinco filhos com muita dedicação e trabalho, e como ela mesmo diz, sem microondas e sem maquina de lavar [rs], na base do fogão a lenha e no tanque de pedra. A avó que ajudou com os netos, desde pequenos até já adultos. A bisavó coruja, que adora mimar e cuidar de seus pequenos.

Sempre atenciosa, sempre presente, com seus conselhos sábios, algumas broncas [rs] dessas necessárias que fazem a gente crescer e aprender. Mulher de coragem, que sempre encarou a vida de frente, e em momentos difíceis se mostrou ainda mais forte, com mais vigor.

Desde menina, minhas lembranças ao chegar na casa de minha avó sempre são de alegria, sabe casa de “vó” mesmo, com bolo cheiroso, café quentinho, mesa farta, o prato predileto de um e de outro, a fruta apetitosa da feira feita por ela mesma toda semana, do abraço apertado, do sorriso gostoso, do aconchego.

Com toda certeza ter sua presença em minha vida contribuiu muito para minha formação, para ser quem sou, porque a Sra. é exemplo de vida; ter sua presença me trouxe sempre amparo, carinho, felicidade.

Hoje seu dia minha vó, com carinho dedico aqui esta simples postagem, pra lhe desejar um “Feliz Aniversário”, que Deus lhe abençoe sempre e lhe conceda ainda muitos anos de vida, para que possamos desfrutar de sua doce companhia.

Um beijo, com todo carinho.. sua neta que lhe ama muito...

Gisele Mulek.
.

domingo, 21 de novembro de 2010

Românticos......


Românticos são poucos
Românticos são loucos, desvairados...
Que querem ser o outro
Que pensam que o outro, é o paraíso...

Românticos são lindos
Românticos são limpos, e pirados...
Que choram com verdade
Que amam sem vergonha, e sem juízo...

São tipos populares, que vivem pelos ares
E mesmo certos, vão pedir perdão
Que passam a noite em claro
Conhecem o gosto raro
De amar sem medo, de outra desilusão...

Romântico, é uma espécie em extinção!
Romântico, é uma espécie em extinção!

Românticos são poucos...
Românticos são loucos...
Como eu! Como eu!

Vander Lee

*****

Necessidade de Refúgio!!!


A vida não é uma constante alta. Eu tenho meus momentos de profundo desencorajamento. Eu tenho de ir a Deus com lágrimas nos olhos e dizer: "Ó Deus me perdoe" ou "Ajuda-me". Billy Graham

Existem momentos que nos encontramos em profunda amargura, onde somos tomados de angustia, dor, tristeza, desencorajamento, decepções, momentos onde nos sentimos apunhalados por pessoas que amamos, momentos em que o mundo ao nosso redor parece ruir.

Parece que nos encontramos em meio ao mar revolto, desprovidos de qualquer ajuda, como se tomados por um gelo devastador que invade os poros e neutraliza nossas ações e congela nosso espírito, com um poder avassalador de obscurecer o caminho à nossa frente.

Para onde se voltar, quando se perde o chão e tudo parece desabar sobre sua vida? Para onde ir, quando se enfrenta situações de medo, de constrangimento, de desamor??

Em ti, Senhor, me refugio; nunca permitas que eu seja humilhado; livra-me pela tua justiça. Inclina os teus ouvidos para mim, vem livrar-me depressa! Sê minha rocha de refúgio, uma fortaleza poderosa para me salvar. Salmos 31:1-2

Em tempos assim, precisamos de refúgio, de alguém que possa nos ouvir; alguém que realmente nos entenda. Gosto muito da historia de vida de Davi, ele quem escreveu o texto bíblico acima; ele foi um homem que voltou-se para o Senhor e Nele encontrou um lugar de descanso e reparo no momento em que sentiu-se acurralado, triste, ferido por fortíssimas adversidades, em luta com sua baixa auto estima.

O refúgio de Davi nunca falhou. Nem uma vez sequer. Davi jamais sentiu nenhum pesar em ir a esse Deus com o seu coração angustiado. Da mesma forma hoje, Deus também é o nosso refúgio e fortaleza, e jamais devemos nos sentir envergonhados ao depositar sobre Ele toda a nossa carga. Porque Ele tem cuidado de nós!!!
.
.
Gisele Mulek
.

sábado, 20 de novembro de 2010

Chris Tomlin - How Great is Our God


Quão grande és Tu meu Deus... Em Ti contemplo todas as coisas... E o tempo... esta em Suas mãos... começo e fim a Ti pertence... Por isso em Ti... somente em Ti espero... Pois somente Tua fidelidade me traz paz...

Ouça, e deixe Ele tocar seu coração.

Gisele Mulek

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Uma flor para você...


O bosque estava quase deserto quando o homem sentou-se para ler em baixo dos longos ramos de um velho carvalho. Estava desiludido da vida, com boas razões para chorar, pois o mundo estava tentando afundá-lo.

E como se já não tivesse razões suficientes para arruinar o seu dia, um garoto chegou, ofegante, cansado de brincar. Parou na sua frente, de cabeça baixa e disse, cheio de alegria: - Veja o que encontrei!

O homem olhou desanimado e percebeu que na sua mão havia uma flor. Que visão lamentável! Pensou consigo mesmo. A flor tinha as pétalas caídas, folhas murchas, e certamente nenhum perfume.

Querendo ver-se livre do garoto e de sua flor, o homem desiludido fingiu pálido sorriso e se virou para o outro lado. Mas ao invés de recuar, o garoto sentou-se ao seu lado, levou a flor ao nariz e declarou com estranha surpresa: - O cheiro é ótimo, e é bonita também... Por isso a peguei. Tome! É sua.

A flor estava morta ou quase morrendo, nada de cores vibrantes como laranja, amarelo ou vermelho, mas ele sabia que tinha que pegá-la, ou o menino jamais sairia dali. Então estendeu a mão para pegá-la e disse, um tanto contrafeito: - Era o que eu precisava!!

Mas, ao invés de colocá-la na mão do homem, ele a segurou no ar, sem qualquer razão. E naquela hora o homem notou, pela primeira vez, que o garoto era cego e que não podia ver o que tinha nas mãos.

A voz lhe sumiu na garganta por alguns instantes... Lágrimas quentes rolaram do seu rosto enquanto ele agradecia, emocionado, por receber a melhor flor daquele jardim.

O garoto saiu saltitando, feliz, cheirando outra flor que tinha na mão, e sumiu no amplo jardim, em meio ao arvoredo. Certamente iria consolar outros corações, que embora tenham a visão física, estão cegos para os verdadeiros valores da vida.

Agora o homem já não se sentia mais desanimado e os pensamentos lhe passavam na mente com serenidade. Perguntava-se a si mesmo como é que aquele garoto cego poderia ter percebido sua tristeza a ponto de aproximar-se com uma flor para lhe oferecer.

Concluiu que talvez a sua auto-piedade o tivesse impedido de ver a natureza que cantava ao seu redor, dando notícias de esperança, de paz e alegria... E de como Deus é misericordioso, que permitiu que um garoto privado da visão física o despertasse daquele estado depressivo.

Então aquele homem, finalmente, conseguira ver, através dos olhos de uma criança cega, que o problema não era o mundo ao seu redor, mas ele mesmo, com suas atitudes depressivas e sua falta de entusiasmos pela vida.


Verdadeiramente cego é todo aquele que não quer ver a realidade que o cerca, o encanto da vida que encontramos em coisas tão simples; e muitas vezes pessoas que não percebem o mundo com os olhos físicos, conseguem ir além e penetram as maravilhas que os rodeiam e se extasiam com tanta beleza. Talvez tenha sido por essa razão que um pensador afirmou que "o essencial é invisível aos olhos".


Uma ótima semana a todos.


Gisele Mulek


sábado, 13 de novembro de 2010

A quem ousa amar...


Amor... Alguns poetas dizem ser bicho traiçoeiro, causador das mais complexas, estranhas, doloridas e avassaladoras emoções. Certamente os historiadores dirão que por causa dele reinos foram invadidos, princesas foram seqüestradas, famílias de nobres e plebeus se misturaram ou foram divididas. Outros tantos, quem sabe mais desiludidos ou decepcionados, já alegam não existir o amor e usam a desculpa científica de classificá-lo apenas como um conjunto de combinações químicas e hormonais que evoluiu a fim de garantir (ou atrapalhar) a preservação da espécie humana e tentam se livrar desta euforia de amar a todo custo.

Seja como for, aos teimosos e corajosos que ousarem enfrentá-lo, e também a quem ainda tem medo ou dúvidas, tenho algumas considerações a fazer...

Já fui vítima tanto de amar de mais, como de amar de menos. Já fui pego de surpresa com medo de não ser amado e também de não estar amando. Já me frustrei, já chorei, já me arrependi... Já me precipitei e travei tantas vezes que nem sei contar. Já falei antes de pensar e já pensei sem falar... Entretanto já me alegrei e vi bichinhos, corações e o rosto da pessoa amada nas nuvens muitas outras vezes ao som de suspiros e canto de passarinhos imaginários.

Quem ousa amar tem de fazê-lo de peito aberto, sem reservas, assumindo o risco sim! Não ame querendo amor em troca! Apenas ame e se dedique no fazê-lo! Amor não é moeda ou investimento, não espere ser amado apenas porque você também ama. Vá amando, se entregando, se abrindo por completo. Quem ama por querer amor em troca, invariavelmente, acaba se frustrando muito, porque confunde amor com carência afetiva, o que definitivamente não é nada bom. Geralmente estas pessoas só conseguem perceber amor com atitudes e devoções iguais as suas próprias e não conseguem sentir o amor dito ou oferecido de uma forma diferente da sua.

Há quem diga que não devemos nos apaixonar, que não se deve dizer "eu te amo!", não se deve amar com o coração assim tão aberto, que deve se manter uma certa razão e distância segura para não correr o risco da vulnerabilidade, da exposição a um amor não correspondido ou ofendido. Eu discordo! Tal discurso só revela a infantilidade de não conseguir suportar um "não" ou o medo da dor, como aqueles adultos patéticos que ainda hoje têm medo de injeção.

Amor só é amor mesmo, quando vivido plena, apaixonada, verdadeira, confiante e libertadoramente; com aquela sensação inconfundível de eternidade de bem. Ele não precisa vir todo de uma só vez, mas pode ser cultivado, tratado, afagado, regado como uma plantinha. Pode começar de um sorriso, de um carinho, de um abraço e ir crescendo lentamente até virar encanto, admiração, poesia, beijo, saudade e aquela vontade irresistível de passar horas e horas com a pessoa amada mesmo que ela tenha outros motivos para viver ou coisas a fazer além de estar com você.

Ame, ame muito! Mas, ame com foco! A única responsabilidade que se deve ter ao amar com tanta intensidade é o compromisso com a verdade, a lealdade e a fidelidade. Procure identificar a diferença entre o amor companheiro e a simples aflição de tesão passageira. Esta é a única hora em que o coração deve obrigatoriamente dar lugar à razão. Quem ama, certamente se entorpece de desejos, sonhos e pensamentos ofegantes. Não é pecado, muito pelo contrário, faz bem, é saudável querer se entregar ao amor, mas ele se plenifica e ganha raízes profundas seguras na alma e se completa somente à medida que damos prioridade e exclusividade a quem se ama.

Aqueles que vivem de tesão e não de amor indubitavelmente tornar-se-ão pessoas amargas e enrijecidas, carcomidas de bichos por dentro e frígidas de alma no futuro. Poderão contabilizar até um grande número de conquistas, coitos, cafajestagens e admiração sexual, mas doloridas e machucadas por dentro de falta de amor genuíno, doado e compartilhado até as últimas conseqüências.

É muito fácil cometer este equívoco, a confusão pode começar de modo muito sutil, mas a fidelidade não é a falta de atração/tentação sexual por outra pessoa além daquela a quem amamos, mas sim a escolha madura, racional e objetiva de amar escolhendo até mesmo orientar nossos desejos mais íntimos em direção a quem amamos.

Não espere também que os amores do passado se repitam ou sejam encontrados e buscados nas novas relações, não permita fantasmas! Viva um amor de cada vez! Não tenha medo ou reservas em se dedicar com exclusividade.

Por outro lado, confie sempre! O coração prega muitas peças em quem tem medo de amar. Um gesto de amor do(a) companheiro(a) pode facilmente ser confundido com desamor ou desafeto. Antes de julgar, aprenda a depositar confiança mesmo que as aparências digam o contrário. O amor tende a se enfraquecer muito quando há desconfianças sejam elas fundadas ou infundadas.

Aos que já encontraram um grande amor, digo que é muito fácil perder a admiração e o ar de fantasia com o tempo... Aquele vulcão da conquista e das descobertas amorosas pode dar lugar a um lago tranqüilo e às vezes até monótono. Mas o amor é o caminho entre o vulcão e o lago mesmo, tanto faz em que direção você queira ir o importante é não parar de andar de mãos dadas. O príncipe às vezes pode virar um sapo e a cinderela voltar pra casa com uma abóbora ao invés da carruagem, mas vai depender do trabalho árduo e dedicado dos dois outrora intensos amantes a conquista e a reconquista diária da fantasia inicial, do vulcão e dos momentos de perder o fôlego. Há coisas muito interessantes tanto no vulcão como no lago, o gostoso não é estar lá ou aqui, o bom e prazeroso é o esforço correspondido para continuar a caminhar juntos. Em outras palavras, não se permita perder a capacidade de se surpreender com a pessoa amada mesmo nas coisas mais corriqueiras e normais!

Encontrar alguém que queira andar de mãos dadas com a gente e queira espontaneamente dar este mesmo amor sem medidas é um presente de Deus a ser valorizado e agradecido todos os dias.

Aos que ainda não encontraram... alguns conselhos: ame primeiro a você, cuide-se, enfeite-se, curta-se, valorize-se, encontre o prazer da auto-suficiência de não precisar de nada além de você mesmo para se sentir uma pessoa amável [com capacidade de ser amada], aprenda a não ter medo de se amar e investir em projetos pessoais. Em segundo lugar, seja menos exigente com você e principalmente com quem se propõe a amá-lo(a), não existe amante perfeito, nem mesmo você conseguiria sê-lo. Então, não digo que você deva se conformar cegamente com o que conseguiu [ou não] até aqui, como se você não fosse capaz de encontrar algo melhor, mas não inicie sua procura buscando alguém ou um amor à sua altura, pode ser decepcionante. Para falar a verdade, nem procure! Deixe o amor surgir naturalmente! Por fim, não fique medindo ou comparando sensações, não avalie a importância de alguém na sua vida pela sensação que ela lhe causa, mas pelo bem que ela pode provocar. Resumindo... Apenas se abra sem medo ao amor. O resultado da descoberta só vem com o tempo. Sim! É um risco!

O Deus que criou o amor te abençoe rica, poderosa e sobrenaturalmente!



*****

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

All I Know - Five For Fighting




All I Know - Five For Fighting

Arranhões e feridas
Provocamos, sem querer
Tão facilmente
Mas, não deixei de te amar
Eu te amo, e isso é tudo que eu sei
.
Não sei se vou me levantar

Pois dependo do teu olhar
Teu olhar que acostumei

A amar sem temor

Isso é tudo que eu sei, é só o que eu sei

.
Quando o cantor vai embora

Deixa a música ir também

E fica uma linha fina entre

As trevas e a madrugada
.

Eles dizem que na escuridão da noite

Há uma luz além

E que o fim sempre vem

As terminações sempre vem

Muito rápido

É elas vêm muito rápido
.
Mas, eu te amo

E é tudo que eu sei,

Sua totalidade, é eu sei

.
.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Sua ausência....!!!

Este sempre foi um mês de festa, mês que comemorávamos com alegria o aniversário de meu Avô, mas coincidência ou não, se tornou agora o mês de lembrar e lamentar sua partida.

Hoje, um ano, que você se foi, quanta saudade!!

Impossível não chegar à casa onde você construiu e não ter lembranças de tantos momentos, desde a infância, de seu sorriso, seus olhos azuis, suas brincadeiras, seu abraço tímido, seu jeito quieto, mais sempre presente.

Acho que posso definir sua falta como as luzes quando se apagam, deixam em nós a escuridão. A falta da luz dá o contraste para nossos olhos poderem captá-la, porém, passados alguns instantes, nossos olhos se acostumam sem ela e começam a vislumbrar, definir algumas formas, começam "a ver" na escuridão.

Assim também ocorre com a ausência de quem amamos; o contraste de sua falta nos faz sentir a sua presença; e aos poucos acomoda-se em nós o desconforto dessa permanente ausência e fica então essa doce saudade.

Hoje nesse momento me sinto triste, coração aflito, vazio no peito, lágrimas. Sem entender ficamos assim, sem respostas a essa pergunta que não quer calar: Porque perdemos pessoas que amamos?? Porque a vida não os mantém junto a nós?

Mais entendo, que Deus deu a vida, e a Ele pertence!!

Fica então sua ausência, mais posso dizer que mesmo você não estando aqui... de alguma forma tento parecer que estas!!

Com saudades, meu avô Demetrio Mulek (*02.11.1933 / +10.11.2009).
.

Gisele Mulek

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Fidelidade....


Ser fiel não é uma obrigação, mas sim uma atitude recíproca de pessoas que se amam, que se respeitam e sobre tudo, que dão valor aos verdadeiros sentimentos e não os confundem com aventuras. A fidelidade deve ser usada em tudo na vida; ser fiel aos amigos, ser fiel com a família, ser fiel aos seus princípios sem passar por cima das pessoas e depois se perguntar o que houve... Ser fiel independe de classe social, cultura ou religião, ser fiel é ser integro, honesto; fidelidade está na mente e no coração, naquilo que você é, no seu caráter!!!


Gisele Mulek
.
.

domingo, 7 de novembro de 2010

Resgate!!


Certa vez ouvi uma história contada por um velho amigo que gostava de fazer passeios de barco.

Ele estava em um de seus passeios e ao caminhar pelo navio, viu um dos membros da tripulação escalando as cordas, indo até o "ninho do corvo". Quando estava na metade da escalada, o navio balançou, pendeu para um lado e ele foi jogado ao mar. Quando bateu na água, começou a gritar por ajuda enquanto batia os braços descontroladamente, se esforçando para sobreviver. Meu amigo viu que um marinheiro observava o homem na água de forma calma e tranqüila, sem esboçar nenhuma reação.

Após um curto tempo o homem na água se cansou e começou a afundar. Imediatamente o marinheiro que observava tranqüilo saltou ao mar e salvou a vítima que se afogava.

Depois que ambos estavam em segurança à bordo, meu amigo foi até o marinheiro que fez o resgate e perguntou: - Porque você esperou tanto tempo para saltar na água e salvar este homem?

Com a mesma calma, o marinheiro respondeu: - Eu percebi que o homem lutava muito na água e era grande a possibilidade de ambos morrerem se eu saltasse rapidamente. Há muito tempo eu aprendi que é melhor deixá-lo lutar por algum tempo, e quando chegar ao fim de sua própria força, eu posso saltar na água e salvá-lo com segurança.

Pensando nesta historia, fiquei imaginando, quantas vezes nós nos sentimos assim, como o homem que se afogava? Como se caíssemos no mar da vida, lançados nas correntezas do destino, jogados de nosso lugar de conforto e segurança, como se estivéssemos lutando por sobrevivência. Gritamos e gritamos pedindo ajuda... mais parece que nada acontece.

E então não raramente pensamos, até Deus se esqueceu de mim; mas acredito que enquanto estivermos tentando resolver as coisas por nossa conta Ele pouco poderá fazer, mais no momento quando todas as nossas forças se desfalecerem, que todas as forças chegarem ao fim, Deus saltará na água para nos resgatar!

Deus é fiel, essa é minha convicção!!

Desejo uma ótima semana a todos, grande abraço!!
.
.
Gisele Mulek

.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

A pessoa errada....


Pensando bem, em tudo o que a gente vê, e vivência, e ouve, e pensa, não existe uma pessoa certa pra gente. Existe uma pessoa que, se você for parar pra pensar é, na verdade, a pessoa errada!

Porque a pessoa certa faz tudo certinho:

Chega na hora certa,

Fala as coisas certas,

Faz as coisas certas,

Mas nem sempre a gente tá precisando das coisas certas, aí é a hora de procurar a pessoa errada; a pessoa errada te faz perder a cabeça...

Fazer loucuras,

Perder a hora,

Morrer de amor,

A pessoa errada vai ficar um dia sem te procurar que é prá na hora que vocês se encontrarem a entrega ser muito mais verdadeira.

A pessoa errada, é na verdade, aquilo que a gente chama de pessoa certa, essa pessoa vai te fazer chorar, mas uma hora depois vai estar enxugando suas lágrimas.

Essa pessoa vai tirar seu sono, mas vai te dar em troca uma noite de amor inesquecível.

Essa pessoa talvez te magoe, e depois te enche de mimos pedindo seu perdão.

Essa pessoa pode não estar 100% do tempo ao seu lado, mas vai estar 100% da vida dela esperando você. Vai estar o tempo todo pensando em você

A pessoa errada tem que aparecer pra todo mundo, porque a vida não é certa. Nada aqui é certo

O que é certo mesmo, é que temos que viver cada momento, cada segundo, amando, sorrindo, chorando, emocionando, pensando, agindo, querendo, conseguindo

E só assim é possível chegar àquele momento do dia em que a gente diz: "Graças à Deus deu tudo certo"

Quando na verdade tudo o que Ele quer é que a gente encontre a pessoa errada para que as coisas comecem a realmente funcionar direito prá gente.

Nossa missão:

Compreender o universo de cada ser humano, respeitar as diferenças, brindar as descobertas, buscar a evolução.

Quando a gente acha que tem todas as respostas, vem a vida e muda todas as perguntas...


Luis Fernando Veríssimo


****



quarta-feira, 27 de outubro de 2010

O bem mais precioso!!!


Conta o folclore europeu que há muitos anos atrás um rapaz e uma moça apaixonados resolveram se casar. Dinheiro eles quase não tinham, mas nenhum deles ligava para isso. A confiança mútua era a esperança de um belo futuro, desde que tivessem um ao outro.Assim, marcaram a data para se unir em corpo e alma.

Antes do casamento, porém, a moça fez um pedido ao noivo:

- Não posso nem imaginar que um dia possamos nos separar. Mas pode ser que com o tempo um se canse do outro, ou que você se aborreça e me mande de volta para meus pais.

- Quero que você me prometa que, se algum dia isso acontecer, me deixará levar comigo o bem mais precioso que eu tiver então.

O noivo riu, achando bobagem o que ela dizia, mas a moça não ficou satisfeita enquanto ele não fez a promessa por escrito e assinou. Casaram-se.

Decididos a melhorar de vida ambos trabalharam muito e foram recompensados. Cada novo sucesso os fazia mais determinados a sair da pobreza, e trabalhavam ainda mais.E tempo passou e o casal prosperou. Conquistaram uma situação estável e cada vez mais confortável, e finalmente ficaram ricos.

Mudaram-se para uma ampla casa, fizeram novos amigos e se cercaram dos prazeres da riqueza. Mas, dedicados em tempo integral aos negócios e aos compromissos sociais, pensavam mais nas coisas do que um no outro. Discutiam sobre o que comprar, quanto gastar, como aumentar o patrimônio, mas estavam cada vez mais distanciados entre si.

Certo dia, enquanto preparavam uma festa para amigos importantes, discutiram sobre uma bobagem qualquer e começaram a levantar a voz, a gritar, e chegaram às inevitáveis acusações.

- Você não liga para mim! - gritou o marido - só pensa em você, em roupas e jóias.

- Pegue o que achar mais precioso, como prometi, e volte para a casa dos seus pais. Não há motivo para continuarmos juntos.

A mulher empalideceu e encarou-o com um olhar magoado, como se acabasse de descobrir uma coisa nunca suspeitada.

- Muito bem, disse ela baixinho. Quero mesmo ir embora. Mas vamos ficar juntos esta noite para receber os amigos que já foram convidados. Ele concordou.

A noite chegou. Começou a festa, com todo o luxo e a fartura que a riqueza permitia. Alta madrugada o marido adormeceu, exausto. Ela então fez com que o levassem com cuidado para a casa dos pais dela e o pusessem na cama.

Quando ele acordou, na manhã seguinte, não entendeu o que tinha acontecido. Não sabia onde estava e, quando sentou-se na cama para olhar em volta, a mulher aproximou-se e disse-lhe com carinho:

- Querido marido, você prometeu que se algum dia me mandasse embora eu poderia levar comigo o bem mais precioso que tivesse no momento.

- Pois bem, você é e sempre será o meu bem mais precioso. Quero você mais que tudo na vida, e nem a morte poderá nos separar.

Envolveram-se num abraço de ternura e voltaram para casa mais apaixonados do que nunca.


"O bem mais precioso", do Livro das Virtudes II.



*****



O egoísmo, muitas vezes, nos turva a visão e nos faz ver as coisas de forma distorcida. Faz-nos esquecer os verdadeiros valores da vida e buscar coisas que têm valor relativo e passageiro. Muitas vezes valorizamos mais as coisas do que as pessoas, valorizamos mais o ter do que o ser...

Por isso que, no dia-a-dia, façamos uma análise e coloquemos na balança os nossos bens mais preciosos e passemos a dar-lhes o devido valor.


Em Cristo,


Gisele Mulek


Através dos olhos de uma criança....


Um velho sentava-se em sua cadeira de balanço dia após dia. Ele prometeu não sair dali até ver Deus.Em uma bela tarde de primavera, o velho balançando em sua cadeira, incansável em sua busca visual de Deus, viu uma garotinha brincando do outro lado da rua.

A bola da garotinha rolou para o seu quintal, e ela correu em sua direção. Ao abaixar-se para pega-la, olhou para o velho e disse: -Eu vejo o senhor todos os dias balançando-se em sua cadeira e olhando para o vazio. O que está procurando?

-Ah, minha querida, é jovem demais para entender - respondeu o velho.
-Talvez (respondeu a garota). Mas a minha mãe sempre me disse que se eu tivesse algo em minha cabeça, deveria falar sobre isso, para compreender melhor. Ela sempre diz: "Srta. Lizzy, compartilhe os seus pensamentos." Compartilhe, compartilhe, compartilhe, é o que sempre diz.

- Bem Srta. Lizzy, eu não acho que poderia ajudar-me - resmungou o velho.
-Possivelmente não, senhor, mas talvez eu possa ajudar apenas ouvindo.
-Está bem, criança, eu estou procurando por Deus.
-Com o devido respeito, o senhor balança para a frente e para trás nessa cadeira dia após dia à procura de Deus? Perguntou a Srta. Lizzy, intrigada.
-Sim. Preciso acreditar antes da minha morte, que existe um Deus. Preciso de um sinal. Respondeu o velho.

-Um sinal, senhor? Um sinal? disse a Srta. Lizzy, agora bastante confusa com as palavras do velho. E então acrescentou: Senhor, Deus dá-lhe um sinal quando o senhor respira, sente o cheiro de flores frescas, ouve os pássaros cantando e quando todos os bebês nascem. Ele dá-lhe um sinal quando o senhor ri e chora, quando sente as lágrimas saindo de seus olhos. Isso é um sinal em seu coração para abraçar e amar. Deus dá-lhe um sinal no vento, no ar-íris e na mudança das estações. Todos os sinais estão aí, mas o senhor não acredita neles. Deus está no senhor e em mim. Não existe procura, porque Ele, está aqui o tempo todo.

-Com uma das mãos em sua cintura e brandindo a outra no ar, a Srta. Lizzy continuou: - Minha mãe diz: "Se você estiver procurando algo monumental, é porque fechou os olhos, pois ver Deus é ver as coisas simples da vida, é ver a vida em tudo."

-Srta Lizzy, é muito perspicaz em sua compreensão de Deus, mas o que fala ainda não é o bastante.

Lizzy caminhou até o velho, colocou as suas mãos infantis sobre o coração dele e falou suavemente em seu ouvido: - Senhor, isso vem daqui, não de lá. - E apontou para o céu. - Encontre-o primeiro em seu coração, em seu próprio exemplo. Então verá os sinais.

Quando atravessava novamente a rua para ir embora, ela virou-se para o velho e sorriu. Então, ao inclinar-se para sentir o cheiro das flores,gritou: - Minha mãe sempre diz: "Se você estiver procurando algo monumental, é porque fechou os olhos."


*****



terça-feira, 26 de outubro de 2010

Eleições... Reta Final!!!


Chegamos a reta final deste processo eleitoral 2010. E gostaria de encerrar aqui a minha participação neste processo democrático. Respeito todas as demais opiniões, afinal "cada cabeça uma sentença", mais neste espaço democrático, eu não poderia deixar de dar a minha opinião.

Confesso que a enxurrada de e-mails das mais variadas linhas inclusive “evangélicas” onde a candidata do PT aparece quase como “a filha do Demônio”, enche a paciência, mas também me fez pensar muito sobre que tipo de presidente gostaria de ver no poder.

Afirmo aqui: Não voto em Dilma Rousseff! Não voto PT! Não vejo sustentabilidade neste partido e não vejo essa candidata preparada politicamente para cargo de tão grande responsabilidade, pois creio que será uma marionete nas mãos da ala podre do PT (aquela que teve que sair de cena por causa do mensalão).

Entendo que tudo é um processo, e se hoje o governo Lula alcançou êxito em algumas áreas, foi porque lá trás alguém teve uma visão maior, encarou obstáculos e brindou o Brasil com o plano real, com uma moeda forte; sim foram tempos difíceis, comparando com o que temos hoje, alguns podem até dizer: nossa FHC não fez nada, mais ele fez o que pode com a política que herdou, e foi além.

Presidente Lula tem seus méritos, mais ele herdou um país que caminhava para evolução. Eu me lembro bem como vivíamos antes do plano real, antes das reformas econômicas, antes da estabilização da moeda, ou seja, antes da era FHC. Pois se hoje podemos comprar com mais facilidade alguns bens, se hoje temos juros mais baixos e podemos desfrutar de parcelamentos a perder de vista, se hoje não precisamos levantar de madrugada para ir para a fila do leite; se um produto tem o mesmo preço hoje, amanhã e daqui a um mês, é graças ao plano real que estancou o processo inflacionário e estabilizou a moeda, e não ao Presidente Lula.

E é obvio que se a economia vai bem, o governo tem dinheiro para investir em todos os demais ministérios. Mas é incontestável o reconhecimento dos reflexos do plano real na economia atual. Incontestável é a importância do ex-Presidente FHC neste processo.

Portanto, sem medo, posso dizer que admiro e respeito o estadista Fernando Henrique Cardoso, e não sinto orgulho nenhum em ver o meu Presidente se orgulhar de não ter estudo. Eu sinto vergonha. Porque eu como mera cidadã não consigo emprego se não tiver uma escolaridade compatível, e muitos sabem disso. Por isso reafirmo “Não voto no PT” vai contra meus princípios.

Finalmente digo que o presidente que gostaria de ver no poder é aquele que defenda seu povo acima de qualquer interesse pessoal fazendo jus à grande nação que é este Brasil, que se utilize de honestidade, de princípios da moral e da ética, que valorize a classe trabalhadora, que promova políticas de segurança, saúde, habitação, educação que englobe a todos e não apenas uma minoria, que defenda a manutenção de políticas públicas que promovam a erradicação da pobreza e a maior igualdade entre todos os brasileiros; que não se corrompa com o poder mais que lute com bravura para fazer cada cidadão se orgulhar de ser brasileiro.

"Tudo que é preciso para o triunfo do mal é que as pessoas de bem nada façam."(Edmund Burke)

Pense nisso, vote consciente!!
.
.
Gisele Mulek

domingo, 24 de outubro de 2010

ATRITE-SE!


Ninguém muda ninguém.
E ninguém muda sozinho.
Nós mudamos nos encontros.

Simples!

Mas profundo, preciso: é nos relacionamentos que nos transformamos!

Somos transformados a partir dos encontros, desde que estejamos abertos e livres para sermos afetados pelas idéias e sentimentos do outro.
Você já viu a diferença que há entre as pedras que estão na nascente de um rio, e as pedras que estão em sua foz?

As pedras na nascente são toscas, pontiagudas, cheias de arestas. À medida que elas vão sendo carregadas pelo rio, sofrendo a ação da água e atritando-se com as outras pedras, ao longo de muitos anos, elas vão sendo polidas, desbastadas. Assim também agem nossos contatos humanos: sem eles, a vida seria monótona e árida.

A observação mais importante é constatar que não existem sentimentos, bons ou ruins, sem a existência do outro, sem o seu contato. Passar pela vida sem se permitir um relacionamento próximo com o outro, é não crescer, não evoluir, não se transformar. É começar e terminar a existência com uma forma tosca, pontiaguda e amorfa.

Quando olho para trás, vejo que hoje carrego em meu ser várias marcas de pessoas extremamente importantes. Pessoas que, no contato com elas, permitiram-me ir dando forma ao que sou, eliminando arestas, transformando-me em alguém melhor, mais suave, mais harmônico, mais integrado.

Outras, sem dúvidas, com suas ações e palavras criaram-me novas arestas, que precisaram ser desbastadas. Faz parte... Reveses momentâneos servem para o crescimento. A isso chamamos experiência!

Penso que existe algo mais profundo, ainda nessa análise. Começamos a jornada da vida como grandes pedras, cheia de excessos. Os seres de grande valor, percebem que ao final da vida, foram perdendo todos os excessos que formavam suas arestas, aproximando-se cada vez mais de sua essência, e ficando cada vez menores, menores, menores...

Quando finalmente aceitamos que somos pequenos, ínfimos, dada a compreensão da existência e importância do outro, e principalmente da grandeza de Deus, é que finalmente nos tornamos grandes em valor. Já viu o tamanho de um diamante polido, lapidado comparado ao diamante em bruto?

Sabemos o quanto se tira de excesso para chegar ao seu âmago! É lá que está o verdadeiro valor... Pois Deus fez cada um de nós com um âmago bem forte e muito parecido com o diamante em bruto, constituído de muitos elementos, mas essencialmente de AMOR. Deus deu a cada um de nós essa capacidade: a de amar!

Mas temos que aprender como! Para chegarmos a esse âmago, temos que nos permitir, através dos relacionamentos, ir desbastando todos os excessos que nos impedem de usá-lo, de fazê-lo brilhar.
.
Por muito tempo em minha vida acreditei que amar significava evitar sentimentos ruins. Não entendia que ferir e ser ferido, ter e provocar raiva, ignorar e ser ignorado faz parte da construção do aprendizado do amor. Não compreendia que se aprende a amar sentindo todos esses sentimentos contraditórios e... os superando!

Ora, esses sentimentos simplesmente não ocorrem se não houver envolvimento... E envolvimento gera atrito. Então minha palavra final:

ATRITE-SE!

Não existe outra forma de descobrir o amor.
E sem ele a vida não tem significado.
.
.
Texto de Roberto Crema


*****
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...